Dicas de PARIS, cultura e turismo – parte 4

Depois de um longo intervalo, finalmente daremos prosseguimento as Dicas de PARIS, cultura e turismo. Hoje lhes apresentarei o de número 4, de uma série de 8 roteiros no total. Mais uma vez, o objetivo aqui é o de lhes apresentar lugares pouco visitados ou até mesmo desconhecidos na Cidade Luz. Mesmo assim, não deixam de ser lugares históricos, belos e importantes para a história da França. Espero que apreciem o passeio!

Bon Voyage!

Cripta do Martírio de Santo Denis – Fotos Marco André Briones

Cripta do Martírio de Saint de Denis – Companhia de Jesus

Afirma-se que essa cripta é o local no qual o patrono de Paris, São Denis, foi decapitado, por ser um líder cristão. Desde sua morte, a antiga cripta se tornou um local de peregrinação para os fiéis cristãos, entre eles, a padroeira de Paris, Santa Genoveva.

Em 1534, Ignácio de Loyola, Francisco Xavier e outros companheiros fundaram neste mesmo local a Companhia de Jesus, através da qual prometiam fazer peregrinações a cada dois anos a fim de converter os infiéis. Deste pequeno local surgiram todos os jesuítas, que tiveram um papel fundamental na conversão dos nativos americanos quando da chegada dos portugueses e espanhóis ao “Novo Mundo”. Sem dúvida alguma, um lugar muito importante para a história e a fé católica.

Museu de Arte Moderna de Paris

Um dos grandes museus de arte da cidade, abriga uma vasta coleção de obras de artistas de arte moderna e contemporânea, a partir do fauvismo.

Com uma coleção de mais de 15000 obras, há exemplares de artistas de renome internacional, tais como Picasso, Braque, Matisse, Vlaminck, Dufy, Bonnard, Vuillard, Zadkine, Marcel Duchamp, Fernand Léger, Torres García, Modigliani, de Chirico, Utrillo, Chagall ,Giacometti, Man Ray, Max Ernst, Vasarely e muitos outros.

Localizado dentro do Palácio de Tokyo, seus amplos salões abrigam obras marcantes, sendo que algumas delas possuem grandes dimensões, e só conseguiram ser recebidas pelo museu justamente por este ter amplas salas de exposições. A maior pintura de todas é o painel “A Dança”, de Matisse, que ocupa toda uma parede dentro da antiga sala de cinema que havia no local.

Bolsa de Comércio de Paris

No local onde atualmente se encontra a Bolsa de Comércio de Paris havia antigamente o Hotel de Soissons, que foi construído no início do século XIII.

A coluna astronômica de 31 metros de altura adjacente ao prédio da Bolsa de Comércio, construída em 1574, é o único vestígio remanescente de tal construção. Também conhecida por “Coluna Médicis”, era frequentada por Catarina de Médicis e por seu astrólogo particular que, através da leitura dos astros, tentavam prever o futuro. O mais incrível é o que o astrólogo de Catarina conseguiu prever sua morte com exatidão.

Após a demolição do antigo Hotel de Soisson, foi construído um Salão do Trigo, para abrigar a produção de trigo, aveia e outros cereais que eram distribuídos e consumidos pela população parisiense. No local funcionavam os depósitos cobertos de cereais, além de todos os escritórios das autoridades de fiscalização e de tributação. O salão encerrou suas atividades em 1873 e, a partir de 1889 passou a ser utilizado como Bolsa de Comércio de Paris.

Seu interior é lindamente decorado com afrescos monumentais na parte inferior da cúpula, evocando o comércio entre as cinco partes do mundo (América, Rússia e o Norte, Ásia, África e Europa, separados pelos quatro pontos cardeais.

Angelina

Sem dúvida alguma, uma das mais renomadas confeitarias de Paris. Uma verdadeira obra prima, que já foi usada como cenário para diversos filmes de época, que retratam todo o seu luxo e esplendor.

Sua decoração interior é no estilo Belle Époque. Era frequentada por celebridades como Coco Chanel e Marcel Proust.

Possui um longo cardápio de sobremesas maravilhosas. Dentre elas, a mais famosa de todas é sua sobremesa “Mont Blanc”, uma delícia que atrai até hoje inúmeros visitantes do mundo inteiro que querem saboreá-la, além dos próprios parisienses.

Ilha do Barco Grande

Um local de muita paz e tranquilidade situado no meio do Rio Sena. Oferece um padrão e qualidade de vida elevadíssimos aos seus 4000 moradores atuais, que podem se manter longe do stress, agitação e barulho de Paris.

Na ponta norte da ilha se situa o templo do Amor, que inicialmente se encontrava no lindo Parque Monceau, até ser transferido para seu novo lar na Ilha do Barco Grande.

A ilha foi imortalizada pelos pintores impressionistas, pois era um dos locais favoritos deles para se inspirarem e comporem suas maravilhosas telas, retratando cenas ocorridas no local. A obra mais importante pintada no local foi “Tarde de domingo na Ilha do Barco Grande”, de Georges Seurat. No entanto, outros grandes pintores também levaram suas tintas, pincéis e cavaletes para a ilha para comporem suas obras, tais como Monte, Van Gogh, Sisley, Bonnard, entre outros. Por tal motivo, o local também é chamado de “Ilha dos Impressionistas”.

Atualmente há um percurso dos impressionistas, uma trilha de 4 km que permite a visualização do local onde foram pintados 10 grande obras de tal movimento artístico.

A ilha também já foi um local ocupado por ateliers, fábricas e indústrias, além de refúgio de criminosos e prostituição. No entanto, atualmente é um dos endereços mais caros e chiques de Paris, sendo muito disputado pelas celebridades, devido a seus imóveis de alto padrão e privacidade.

Entre as celebridades que moram ou possuem imóveis no local estão o ex-presidente da França, Nicolas Sarkozy, o bilionário inglês Richard Branson, proprietário do grupo Virgin, e o ator francês Jean Reno.

Praça Rapp

A apenas a alguns passos da Avenida Rapp, a Praça Rapp parece ser um lugar mágico, que desafia a passagem do tempo. A paz e a tranquilidade parecem morar ali, nesse local que possui uma fonte particular, uma passagem fechada e lindos portões de ferro trabalhados. Além disso, há a maravilhosa vista da Torre Eiffel, que se encontra bem perto dali.

A praça é cercada por apenas quatro prédios no estilo Haussmaniano. Além da beleza do local, não podemos deixar de mencionar o maravilhoso prédio no número 29 da Avenida Rapp, que foi construído pelo renomado arquiteto Jules Lavirotte em 1901 e, na época de sua inauguração, foi eleito pelos parisienses como o prédio com a mais bela fachada em estilo Art Nouveau de toda a cidade. As imagens expostas evocam a história de Adão e Eva, recontada pelos olhos de Lavirotte.

Passa muralhas

Por fim, chegamos à última parada de nosso roteiro de hoje.

Trata-se de uma escultura bastante inusitada, de um homem que parece sair ou atravessar uma parede.

Tal escultura, feita pelo lendário escultor e ator francês Jean Marais, foi posicionada exatamente em frente à residência de Marcel Aymé, um escritor que redigiu a obra “O Passa Muralhas”.

Marcel Aymé passou grande parte de sua vida em Montmartre, na Rua Norvins. Por tal motivo, grande parte de seus romances são ambientados nesse bairro, a região que ele mais amava em Paris.

A obra em questão nos remete à história de Dutilleul, o “Passa Muralhas”, que era um funcionário público que morava em Montmartre e que, em uma noite surpreendente, descobriu que tinha o poder de atravessar paredes e muralhas. Ele usou tal habilidade inicialmente para se vingar de humilhações no escritório onde trabalhava, depois começou a arrombar casas e bancos, se tornando um homem rico, antes de ser preso e fugir através de suas paredes.

Ao se apaixonar por uma mulher que conheceu na Rua Lepic, Dutilleul penetrava na casa dela, que era casada, até que um dia, perdeu sua habilidade de atravessar paredes e ficou preso em uma muralha na Rua Norvins. Seu único consolo foram o pintor Eugène Paul e seu violão, que vinha cantar e tocar para ele todas as noites, a fim de consolar sua solidão e tragédia súbita.

Espero que tenham gostado do passeio e que, quando estiverem em Paris, não deixem de visitar algumas das atrações descritas por mim aqui nesse texto. Posso lhes assegurar que serão visitas inesquecíveis.

Até o próximo roteiro! À bientôt!

Endereços das atrações do Roteiro 4:

Crypte du Martirium de Saint Denis – 11 Rue Yvonne le Tac
Musée d’Art Moderne de Paris – 11 Avenue du Président Wilson,
Bourse de Commerce – 2 Rue de Viarmes
Angelina – 226 Rue de Rivoli
Île de la Grande Jatte – No Rio Sena entre Courbevoie e Levallois Perret
Square Rapp – 33/35 Avenue Rapp
Le Passe Muraille – Place Marcel Aymé

Você gostou da matéria? Então entre em contato com o autor através do email: marcoandrebriones@cidadeecultura.com.br
Quer ajudar o autor da coluna a mantê-la ativa, sempre com conteúdos informativos de qualidade? Que tal então comprar os produtos relacionados ao tema, Paris, diretamente no site da Amazon do Brasil? Usando o link abaixo para suas compras você estará dando sua contribuição diretamente. Muito obrigado por seu apoio!

Todas as fotos da matéria foram tiradas por Marco André Briones, em 2008, 2014 e 2015.