Search
domingo 24 fevereiro 2019
  • :
  • :

Aldeia Jesuítica de Carapicuíba

Aldeia Jesuítica de Carapicuíba

Aldeia Jesuítica de Carapicuíba. Fotos Marco André Briones

Algumas vezes não precisamos viajar para muito longe para conhecermos um tesouro histórico nacional. Às vezes, tais tesouros estão bem perto de nós, escondidos, sem que a gente saiba da existência deles.

Aldeia Jesuítica de CarapicuíbaUm desses locais, pouquíssimo conhecido e visitado, é a Aldeia Jesuítica de Carapicuíba, situada a apenas 2,5km da Rodovia Raposo Tavares e a 20 km do centro de São Paulo.

Fundada em 12 de outubro de 1580, a Aldeia Jesuítica de Carapicuíba era originalmente uma fazenda com mão de obra escrava indígena trazida do sertão pelo seu dono, Affonso Sardinha. Após a morte deste, a fazenda foi herdada pela Companhia de Jesus, juntamente com os índios administrados e alguns escravos.

Em 1580, o padre jesuíta José de Anchieta fundou 12 aldeias missionárias em torno do Mosteiro de São Bento, entre elas, as de Barueri, Itapecerica, Pinheiros e Carapicuíba.

Os objetivos de Anchieta eram os de catequisar a população indígena da região e, ao mesmo tempo, protegê-la dos ataques dos bandeirantes, liderados por Antônio Raposo Tavares, pois os esses buscavam capturar os índios para a escravidão, e também, para o uso no desbravamento do território desconhecido por eles, no interior deste país, conhecido atualmente por Brasil.

Formação dos aldeamentos

Os jesuítas costumavam construir aldeamentos divididos em três partes, todas elas observadas nessa aldeia: a igreja, que tinha por função receber os fiéis recém-convertidos; as pequenas casas, localizadas em torno de um terreno retangular, que servia para a circulação de pessoas e reuniões e, por fim, as oficinas e áreas de serviço, onde os índios e os jesuítas produziam alimentos e objetos de uso cotidiano.

Aldeia Jesuítica de CarapicuíbaNo centro da praça, há uma cruz colocada sobre um alto pedestal de tijolos, que denota claramente a intenção missionária da aldeia. O espaço entre a fachada da igreja e a cruz no meio da praça era considerado sagrado, pois os jesuítas acreditavam que naquele local o demônio não tinha o poder de se fazer presente.

A igreja, casas e oficinas foram todas construídas através do uso da técnica da taipa de mão, conhecida também por pau-a-pique.

Foram construídas no total 20 casas. Algumas delas são usadas até hoje como lar de famílias que vivem no local há mais de 300 anos. Já outras casas foram utilizadas para instalar a Casa de Cultura, onde pode ser visto o acervo de imagens, objetos indígenas e esculturas, além da Biblioteca Municipal.

A aldeia de Carapicuíba abrigou o Padre Belchior Pontes e índios Guaianases, Tupis, Guarulhos e também de outras tribos. Porém, como os bandeirantes estavam se aproximando da aldeia, o Padre Belchior decidiu partir, juntamente com os índios, para a Aldeia Jesuítica de Itapecerica, pois essa era mais segura e afastada da capital, além de ser de difícil acesso.

Para evitar que parte dos índios catequizados permanecesse no local, os padres jesuítas incendiaram as construções do século XVI. Alguns índios não se conformavam em ter que sair de suas terras e, algumas vezes, retornavam e eram assassinados, a fim de servirem de exemplo para os outros.

Reconstrução

Aldeia Jesuítica de CarapicuíbaAs construções que são visíveis até hoje foram reconstruídas a partir de 1727, seguindo o traçado original da antiga aldeia. A igreja foi construída em 1736, com três paredes de taipa de pilão remanescentes do século XVI. O seu padroeiro é São João Batista, que empresta o seu nome à igreja.

A Aldeia Jesuítica de Carapicuíba foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1941, sendo considerada patrimônio nacional, pois é o único exemplo remanescente de uma antiga aldeia jesuítica.  Das 12 aldeias originais fundadas por Anchieta, essa é a única que não foi totalmente destruída, já que é de difícil acesso.

Aldeia Jesuítica de CarapicuíbaPara os visitantes dos dias de hoje, o acesso é muito mais fácil. Basta irmos até o Parque Ecológico Aldeia de Carapicuíba. Ao chegarmos lá, devemos seguir a pé uma curta trilha em subida por dentro do parque. Em poucos minutos de caminhada, já podemos visualizar a Aldeia Jesuítica no alto, com suas casinhas e igreja, todas pintadas de branco e azul. Eu senti uma grande emoção ao chegar no local e saber que estava visitando um lugar tão importante na história de São Paulo e do Brasil.

Recomendo a todos que se interessarem pelo assunto que a visitem também e divulguem suas visitas aos seus amigos, valorizando o local, ajudando a preservar este exemplar único e precioso de nosso patrimônio nacional, mantendo viva a memória de nossa história indígena, bandeirista, jesuítica e brasileira.

Por Marco André Briones

Bibliografia usada: Carapicuíba – Uma Aldeia Mameluca, de Américo Pellegrini Filho

Para saber mais dicas de turismo cultural e histórico no Brasil e no mundo, acompanhe a coluna de Marco André Briones no portal Cidade&Cultura

 




Deixe uma resposta