Lenda do Boi Fulô em Campinas

Lenda do Boi Fulô em Campinas-lendas-boi-falo-bx

Lenda do Boi Fulô

Na fazenda Santa Genebra, cujo dono era o Barão Geraldo Ribeiro de Souza Rezende, na Sexta-feira Santa de 1888, um dos escravos da lida da cana e do açúcar teve de ir ao pasto atrelar um boi para o arado.

Toninho era miúdo, porém obediente, e foi enfrentar o animal que estava descansando sob a sombra de uma árvore. O boi não queria nada com nada. Depois de muita insistência de Toninho, o boi mugiu alto e disse: “Hoje é dia santo, é dia do Senhor, não é dia de trabalho”.

O escravo saiu correndo para a sede da fazenda, gritando: “O boi falô, o boi falô!”. Apesar de não ter cumprido a tarefa, o escravo não foi castigado.  E relatou o fato ao Barão, que concordou com o boi, e ninguém mais trabalhou nesse dia.

Com o fato, Toninho passou a trabalhar nas tarefas da casa do Barão.  E parece que viraram bons companheiros, pois ele foi enterrado junto ao túmulo do Barão, no Cemitério da Saudade. No Dia de Finados, Toninho é muito visitado por graças concedidas à população. Há quinze anos existe a Festa do Boi Falô que mantém viva a lenda por meio de encenações do acontecimento de 1888, no Distrito de Barão Geraldo.

 

Leia também posts de outras lendas de Campinas:  Lenda do bonde da morte e Lendas do Cemitério da Saudade 

Para saber mais sobre Campinas, clique aqui