Search
quarta-feira 20 março 2019
  • :
  • :

Grupo Narração Oral Tradicional – Viva História VIVA de Porto Feliz

Grupo Narração Oral  Viva a História Viva

Grupo Narração Oral Tradicional Viva a História Viva – Foto: Divulgação

Grupo Narração Oral Tradicional – Viva História VIVA

Foto: Divulgação

Aprender história de forma lúdica e por meio da experiência que a arte cênica nos proporciona é a melhor forma de a compreendermos e guardarmos dentro si. E é isso que este grupo proporciona aos munícipes e turistas de Porto Feliz.

O Grupo Narração Oral Tradicional – Viva História VIVA  foi formado há cerca de dois anos pela contadora de histórias professora Sônia Jaqueline Oliveira. Sônia foi premiada no edital 2017 – Cultura Popular do Ministério da Cultura. O grupo conta com 30 integrantes.

Apresenta-se no Parque das Monções em Porto Feliz onde narra, histórias, causos e lendas dos ancestrais do século XVIII.

O cenário é o antigo porto de Araritaguaba, localizado na margem esquerda  rio Tietê, hoje cidade de Porto Feliz, e  ponto exato de onde partiam as Monções rumo a Cuiabá do Mato Grosso em busca de ouro.

Resgatando a cultura paulista caipira,  as histórias vão acontecendo em volta de uma “cozinha” habitada por índios, negros, monçoeiros, bandeirantes, mulheres e crianças, um povo fervoroso em sua fé  e crenças.

Um café é feito ao vivo no coador e oferecido aos ouvintes, com bolo e pão caseiro.

Fazem parte do contexto a apresentação com roupas do século XVIII, caixotes de madeira, cestas, bule de café e coador de pano, abóbora, pimenta, milho. Aqui,  o  público é convidado a viajar através dos séculos, com muita  amorosidade, simplicidade, humildade, num tempo que não volta mais!

O grupo apresentou-se em várias cidades do interior paulista chegando, em 2017, no Revelando São Paulo.

Monções

As monções foram expedições fluviais realizadas entre o início do século XVIII e metade do século XIX, que iam da capitania de São Paulo e a capitania de Mato Grosso. O nome “monção” foi dado em referência à época de cheias do rio Araritaguaba, no final de março e início de junho. Enfim, tudo começou quando o bandeirante Pascoal Moreira Cabral achou ouro no rio Cuiabá e no rio Coxipó.

Contato: @narracaooraltradicionalportofeliz.

 




Deixe uma resposta