Alcatrazes: um espetáculo da natureza

Arquipélago localizado a 45 km da costa de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, Alcatrazes é um refúgio de vida silvestre, sob gestão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Foto por Patrícia Chemin

Com 70 mil hectares de área marinha preservada, o Refúgio de Alcatrazes abriga mais de 1.300 espécies, sendo que algumas estão ameaçadas de extinção, a maior quantidade de peixes da região Sudeste e o maior ninhal de fragatas do Atlântico Sul. O local é considerado berçário de vida marinha e o mar cristalino é habitado por uma ampla variedade de corais, tartarugas, baleias, arraias e golfinhos.

Foto por Patrícia Chemin

Além disso, as ilhas praticamente não possuem vestígios do ser humano. O arquipélago permaneceu fechado a visitas por décadas e era usado exclusivamente para treinamentos da Marinha. Até que foi aberto oficialmente para o turismo em dezembro de 2018.

Foto por Patrícia Chemin

Para manter esse rico ecossistema preservado, o desembarque em terra é proibido e a visitação só pode ser realizada com empresas e condutores capacitados e autorizados pelo ICMBio. No site do instituto, é possível conferir a lista completa das empresas cadastradas para o passeio, encontradas em São Sebastião, Ilhabela e Ubatuba.

O objetivo é que o turismo seja praticado com o menor impacto possível ao meio ambiente. As agências cadastradas devem seguir uma série de normas e procedimentos e são responsáveis por oferecer as devidas orientações e informações aos visitantes. Os passeios, é claro, são pagos e devem ser agendados com antecedência.

Foto por Patrícia Chemin

As únicas atividades turísticas permitidas são a visita embarcada e o mergulho, com cilindro ou snorkel. Depois de um trajeto de pelo menos 45 minutos pelo mar – a duração vai depender do barco utilizado –, surgem no horizonte as ilhas com seus enormes rochedos arredondados e centenas de fragatas em sobrevoo.

Alcatrazes
Foto por Patrícia Chemin

O mar é de um azul profundo, porém com águas cristalinas que garantem boa visibilidade para o mergulho (de 5 a 30 metros, de acordo com a época do ano). Entre novembro e maio, as águas são mais quentes e as condições climáticas são as mais agradáveis para entrar no mar e contemplar o ambiente marinho submerso.

Foto por Patrícia Chemin

No total, são 10 pontos para mergulho autônomo no Refúgio de Alcatrazes, cada um com suas características. Mesmo ao ficar apenas na superfície, flutuando com máscara e snorkel, é possível ver uma profusão de peixes, corais e até cavernas submarinas. E a sensação de nadar em alto-mar é inesquecível.

Alcatrazes
Foto por Patrícia Chemin

Para aqueles que preferem não sair do barco, a visita embarcada também garante admirar toda a beleza cênica e a biodiversidade de Alcatrazes. Algumas espécies, como a baleia-jubarte e as aves marinhas pelágicas, são mais comuns durante o outono e o inverno.

Mais informações em: icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/mais-info/10213-alcatrazes

Foto destaque por: Patrícia Chemin